Triângulo e Alto Paranaíba contabilizam cinco casos prováveis de dengue em 2018:

O Triângulo e Alto Paranaíba já contabilizam em 2018 cinco casos suspeitos de dengue. De acordo com o primeiro boletim divulgado nesta segunda-feira (8) pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), Uberlândia, Tupaciguara, Ituiutaba e Patos de Minas concentram os registros em investigação.

O boletim aponta ainda que não há ocorrências, confirmada ou sob investigação, de morte pela doença na região. Os dados correspondem a levantamento feito até o dia 5 de janeiro.

No Estado, até o momento, foram registrados 93 casos prováveis (casos confirmados + suspeitos) de dengue. O mapeamento de infecções causadas pelo Aedes aegypti deve ser informado ao Governo Federal por todos os municípios. A determinação é do Ministério da Saúde e tem o objetivo de monitorar a infestação do mosquito.
Confira onde cada suspeita de dengue é investigada na região:
 

Uberlândia: 2
Tupaciguara: 1
Patos de Minas: 1
Ituiutaba: 1

Triângulo e Alto Paranaíba contabilizam cinco casos prováveis de dengue em 2018:

Chikungunya e zika vírus
Em relação à chikungunya, Minas Gerais registrou nove casos prováveis da doença, mas nenhum foi no Triângulo e Alto Paranaíba. Não foi registrado, até o momento, óbito confirmado ou em investigação para chikungunya em 2018. Não foram registrados também casos prováveis de zika vírus em 2018.
Em 2017, foram confirmados 15 óbitos por dengue em Minas Gerais. O Estado ainda possui outros 14 óbitos em investigação.

Doenças
 
A zika, a chikungunya e a dengue são transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. No caso da zika, a transmissão também ocorre por via sexual e de mãe para filho durante a gravidez. A dengue e a febre amarela são passadas apenas por meio da picada de mosquitos.
Para evitar a proliferação dos pernilongos, é importante não deixar água parada. Para evitar as picadas, é possível colocar redes nas janelas, vestir roupas que cubram braços e pernas e usar repelente.

Triângulo e Alto Paranaíba contabilizam cinco casos prováveis de dengue em 2018: